quinta-feira, março 15, 2018

Está ela preparada para voltar a fazer política?



 Os resultados eleitorais de Nampula são interessantes por aquilo que dizem sobre a qualidade da nossa análise política bem como da nossa política ela própria. É como se tivesse havido uma revolução em Nampula quando, na verdade, ocorreu algo de certa forma esperado. Por razões que só estudos sérios poderão apurar, a Frelimo não é bem vista em Nampula. Há eleitores que votam contra a Frelimo. 
Mas o que é impressionante, dada a oposição visceral que algumas pessoas têm em relação a ela, é constatar uma certa estabilidade no seu eleitorado. A ilação mais importante que a Frelimo precisa de tirar desta “derrota” não é de que tudo está mal. É de que ela é um partido nacional que não precisa de ganhar Nampula para ganhar no país inteiro, mas sim não perder o seu eleitorado base nessas regiões onde existe uma certa hostilidade.
Imagem relacionadaA questão, portanto, é como não perder o seu eleitorado. Aqui as coisas complicam-se um bocado. Desde a inauguração da democracia multi-partidária, a Frelimo apostou numa política virada para a emocionalização que ganhou contornos problemáticos no segundo mandato de Guebuza quando pareceu vingar a ideia de que votar ou não votar Frelimo era uma opção a favor ou contra Moçambique. Essa emocionalização tirou da equação política questões de fundo onde a Frelimo, apesar de tudo, tem os melhores trunfos, que dizem respeito à vida económica e projecto de sociedade. Em Nampula e em todos os lugares onde as pessoas não gostam da Frelimo, rejeita-se o Moçambique representado pela ideia que as pessoas têm da Frelimo. O trabalho político com estas pessoas não pode consistir em lhes dizer que estão a ser estúpidas ao preferir outros, mas sim mostrar a elas porque essa ideia de Moçambique é melhor para elas próprias e como é que a Frelimo pretende chegar lá. Ou por outra, a Frelimo precisa de voltar a fazer política, algo que ela abandonou um bocado nos últimos tempos a favor da emocionalização.
Agora, está ela preparada para fazer isso? Tenho sérias dúvidas. 
Resultado de imagem para Nampula autarquicasO último Congresso mostrou claramente que ela tem tudo menos uma visão estratégica. Ou melhor, sacrificou o trabalho numa visão estratégica no altar da celebração dum timoneiro que, por enquanto, ainda não tem obra palpável. Este, por sua vez, provavelmente enganado por essas celebrações “kimilsungianas”, descurou completamente aquilo que assegura o poder numa democracia representativa, nomeadamente o trabalho partidário. Foi, por exemplo, sintomático o seu alheamento em relação às eleições em Nampula onde não se fez presente, nem mandou verdadeiros pesos pesados do partido para mostrar ao eleitorado nampulense em dúvida que aquela cidade é importante para a Frelimo. Estes também, por sua vez, não mexeram por iniciativa própria palhinha que fosse. Ficaram sentadinhos lá na Comissão Política de certeza a fazer o rascunho da mensagem de saudação ao Presidente no caso duma vitória de Cololo.
Sou um pouco suspeito para dizer o que vou dizer em seguida, mas é assim: acho que tem sido um erro estratégico de grande envergadura prescindir dos préstimos duma pessoa como o Gabriel Muthisse. Uma pessoa com o tipo de instinto estratégico como ele o tem – misturado com uma forte lealdade ao partido – reúne todas as condições para ocupar o posto de secretário geral da Frelimo e prosseguir o trabalho iniciado pelo seu mentor, Guebuza, na revitalização do partido porque este, com todo o respeito por quem tem esta missão agora, está entregue às moscas. Teria sido um forte sinal de continuidade, de afirmação do que a Frelimo chama de unidade nacional e de renovação da política da própria Frelimo. Sei que o coloco numa situação embaraçosa com este reparo, mas como ele neste momento está mais preocupado com o amor nunca correspondido de Ngelinane nem vai reparar que escrevi sobre ele. Na verdade, não se trata de promover uma certa pessoa. Trata-se de promover um certo perfil que neste momento a Frelimo não tem nas suas hostes partidárias.
Para mim, o grande vencedor destas intercalares na Frelimo é o seu candidato, Amisse Cololo. Ele tem uma oportunidade ímpar para fazer a diferença no modo de fazer política. Ele fez uma campanha séria num ambiente hostil e sem grande ajuda do seu chefe máximo. Ele mostrou que o seu partido tem, apesar de tudo, inserção naquela cidade. Ele tem que capitalizar tudo isto através duma política municipal de oposição construtiva. Os seus assessores precisam de lhe dizer parra não cair no erro pérola-indiano do ressentimento e de oposição por pirraça. Ele precisa de continuar a identificar os problemas reais de Nampula, oferecer soluções para eles e, se necessário, distanciar-se da Pereira do Lago pelo bem do seu município. Não vai ser fácil num partido que facilmente confunde crítica e independência de pensamento com insubordinação. Mas os tempos são outros.
Resultado de imagem para Nampula autarquicasA Frelimo não perdeu, como se diz por aí, porque está a comer sozinha. Perdeu, talvez, porque existe a percepção de que esteja a comer sozinha. Há uma grande diferença. Reconhecê-la é crucial para uma melhor reacção. E uma coisa que não se deve esquecer, extremamente boa nesta vitória da Renamo, é a seguinte: a responsabilidade tem o potencial de comprometer a Renamo com o país, compromisso esse que ela nunca teve. Uma vez isso feito, criam-se condições para que a disputa política seja mesmo política, isto é, sobre aquilo que realmente conta para as pessoas: a melhoria das suas condições de vida.(Por:Eliseu Macamo)

0 comentários: