terça-feira, junho 10, 2014

Industrialização do sector do algodão é urgente

A comercialização do algodão, na campanha 2013-2014, vai render aos cofres do Estado moçambicano 100 milhões de dólares americanos.Esta informação foi dada na passada quinta-feira em Maputo, durante uma conferência de investidores em algodão e têxteis.Tratou-se duma conferência que serviu para expor, diante do empresariado nacional e estrangeiro interessado em investir neste sector, as potencialidades de investimentos existentes, no país, na mecanização ou industrialização do sector de produção de algodão, uma vez que, neste momento, em Moçambique, a produção de algodão é assegurada apenas pelo sector familiar.Na ocasião, o director do Instituto do Algodão de Moçambique, Norberto Mahalambe, disse que os 100 milhões de dólares resultarão da exportação de 80 mil toneladas de algodão caroço produzidos na campanha 2012-2013.Segundo Norberto Mahalambe, das 80 mil toneladas, 90% foram produzidas pelo sector familiar, e o restante pelas pequenas indústrias existentes no país, o que revela que a produção de algodão no país é assegurada pelo sector familiar, o que é mau, devido ao facto de esta cultura ser considerada como um dos principais produtos de exportação de Moçambique e que tem uma boa aceitação no mercado mundial, pois é imprescindível na indústria têxtil e no fabrico de óleo alimentar.Foi a necessidade de alterar este cenário que levou o Governo moçambicano a realizar a conferência dos investidores para, junto dos empresários produtores e outros intervenientes neste sector, procurar formas de revitalizar a produção de algodão e a indústria têxtil no país, dada sua importância no desenvolvimento económico pois, para além de servir de exportação, serve de renda para muitas famílias moçambicanas.
Por outro lado, a conferência tinha como objectivo principal apresentar as potencialidades de investimentos e de negócios nas componentes de processamento e tecelagem de algodão fibra, uma vez que, neste momento, o país não possui nenhuma indústria têxtil em funcionamento, desde que foram encerradas as fábricas após a Independência.Segundo o ministro de Agricultura José Pacheco, pretende-se com esta iniciativa agregar mais valor ao algodão produzido em Moçambique, de modo a elevar o rendimento das 250 mil famílias que se dedicam à produção desta cultura agrícola e, por outro lado, fortalecer cada vez mais a contribuição do sector de produção de algodão para o crescimento económico do país, através do aumento da balança de pagamento e criação de novos postos de trabalho.
A necessidade de revitalização da indústria têxtil bem como da industrialização do sector de produção de algodão, como forma de aumentar a produtividade e agregar mais valor à produção nacional, foi também apontada pelos participantes da conferência, pois, segundo eles, é muito importante, por se tratar duma área considerada base para o rendimento de muitas famílias moçambicanas.Segundo Francisco dos Santos, o sector de algodão é vital em Moçambique porque, para além, de contribui para criar postos de trabalho e para o aumento do rendimento de mais de 250 mil famílias, atrai muitos investimentos no sector de processamento, devido ao seu uso múltiplo na componente industrial, uma vez que, a partir do algodão, se pode produzir óleo alimentar e roupa.Por seu turno, o director do Instituto de Algodão de Moçambique, Norberto Mahalambe, diz que a sustentabilidade do sector de produção de algodão passa pela construção de mais indústrias de processamento, de modo a que o país não se limite a ser apenas um fornecedor da matéria-prima, tal como está a acontecer neste momento em que toda a produção é exportada por falta de indústrias têxteis no país.É neste sentido que o Governo espera mobilizar junto do empresariado nacional e estrangeiro bem como nos outros parceiros de cooperação internacional, como o Banco Islâmico, mais de 351 milhões de dólares americanos para revitalização da cadeia de valor do algodão e da indústria têxtil no país. (R.Moiane)

0 comentários: