terça-feira, outubro 18, 2016

"Tarefa espinhosa, mas temos que ajudar o Presidente"

Embora nos últimos tempos comece a ser posta em causa a tese de um presidente da República telecomandado por uma poderosa ala maconde na Frelimo, o presidente do Conselho Municipal de Nampula, pelo Movimento Democrático de Moçambique (MDM) entende que, efectivamente, há grupos na Frelimo que bloqueiam a governação de Filipe Nyusi. 
Resultado de imagem para Mahamudo Amurane
Muhamudo Amurane, que analisava, no nosso jornal, os primeiros dois anos da governação de Filipe Nyusi, começou por dizer que só a sua eleição para presidente da República foi um acto importante, porquanto marcou a passagem inter-geracional na liderança do país. Foi quando questionamo-lo se essa mudança se está ou não a reflectir na governação do país, ao que Muhamudo Amurane, sem rodeios, respondeu que não. Mas o edil de Nampula diz que não está decepcionado com Filipe Nyusi, o presidente que a 15 de Janeiro de 2015 proferiu um discurso de renascimento. O problema, entende o edil, não reside, necessariamente, em Filipe Nyusi, mas para aqueles que chamou de grupos fortes na Frelimo que não aceitam as mudanças que, estamos a citar Amurane, Nyusi parece querer empreender. O presidente da cidade capital da província mais populosa de Moçambique recua ao passado para lembrar que, em Fevereiro de 2015, logo após a sua investidura, Filipe Nyusi manteve um encontro com o presidente da  Renamo, Afonso Dhlakama, num esforço pela paz que não agradou alguns sectores da Frelimo. Outro sinal de um Filipe Nyusi que quer avançar mas que encontra entraves é a abertura do presidente perante o Fundo Monetário Internacional (FMI), na recente visita em Washington, Estados Unidos da América (EUA) para a realização de uma auditoria internacional independente às dívidas escondidas no país, anota o edil. Por isso, Amurane insta a sociedade a se levantar contra a minoria frelimista que procura sobrepor os seus interesses aos da maioria dos moçambicanos. “A expectativa do povo é frustrada por grupos menores que defendem seus interesses em detrimento da maioria”, assinala, acrescentando que é preciso isolar aqueles que bloqueiam o Presidente da República. Sublinha que um futuro melhor para o país passa, necessariamente, por isolar os grupos na Frelimo que não aceitam a mudança, uma tarefa que, por ser espinhosa, não pode ser apenas de Filipe Nyusi, mas de toda a sociedade moçambicana que contra essas forças se deve levantar de forma vigorosa. Entretanto, ganha corpo nos últimos tempos a tese de que, na verdade, Filipe Nyusi não é ingénuo como se pretende fazer passar, nem vítima de supostos poderes interpostos na Frelimo. Argumenta-se que o actual presidente está, efectivamente, alinhado com uma estratégia de mão dura sobretudo no que à guerra diz respeito, sendo os seus discursos apenas uma decoração própria da acção política.A encruzilhada económica em que o país está mergulhado foi incontornável na entrevista com o edil de Nampula. Sobre ela, Amurane evita fazer juízos, por entender que a democracia não é especulação, mas desafia a administração da justiça para que esclareça o que sucedeu com os cerca de USD2 mil milhões, dos quais USD 1.4 mil milhões ocultados. Sobre a tensão político-militar, reitera não encontrar argumentos para as matanças e destruição que continuam a minar o desenvolvimento do país. Chamado a apontar a solução, foi peremptório em afirmar que o país clama por uma descentralização político- administrativa, incluindo a eleição de governadores provinciais, pelo que é preciso que se discuta a Constituição da República. “Há resistência por parte dos dois beligerantes, mas é preciso pressionarmos para que haja abertura para discutir ideias e não pessoas”, remata. 

0 comentários: