terça-feira, outubro 06, 2015

Serviço mau e não transparente

Moçambique é um dos maiores produtores de energia eléctrica da África Austral. Apenas se situa atrás da África do Sul, que é um dos maiores produtores de energia eléctrica africanos e do mundo. Com capacidade instalada para produzir 2 233MW (2013/14), Moçambique supera países como Angola, Zâmbia, Tanzânia. Esta produção energética elevada deve-se, quase que em exclusivo, à Hidroeléctrica de Cahora Bassa, responsável por cerca de 2 075 da produção total (2014). A Electricidade de Moçambique produz o remanescente. A HCB, segunda maior barragem da África e uma das 10 maiores do mundo2 , está numa fase de produção plena. Com a reversão da Barragem para Moçambique em 2007, a expectativa era de que a energia eléctrica disponível para o país aumentasse e, quiçá, fossem praticadas tarifas mais acessíveis para a população com baixa renda. Isto, porém, não sucedeu. A HCB está presa a acordos comerciais com a ESKOM, que obrigam a empresa nacional a vender mais da metade da sua produção para a empresa sul -africana. Para Moçambique resta uma quota reduzida (cerca de 25% da produ- ção nacional), que não satisfaz as necessidades nacionais de consumo energético. Esta é uma das razões que fazem com que, apesar da grande produção da energia eléctrica no país, os moçambicanos estejam entre os piores da região no acesso à electricidade, como mostra o gráfico 1. É verdade que de ano para ano tem crescido o número de pessoas com acesso à energia eléctrica no país, tendo passado de 219 407 consumidores, em 2002, para mais de um 1 100 000, em 2013. Este aumento, entretanto, não se beneficiou muito da reversão da HCB do Estado português para o Estado moçambicano. A média anual de novas ligações à corrente eléctrica não cresceu com a reversão da HCB, tal como não aumentou, significativamente, a quantidade de energia eléctrica que a HCB disponibiliza para o país. O gráfico 2 mostra a evolução de novas ligações e de clientes da EDM antes e depois da reversão da HCB.Os detalhes AQUI.

0 comentários: