quarta-feira, setembro 10, 2014

Com o mar não se brinca!!!

Com o mar realmente não se brinca.
Cidade da Beira ao fim da tarde de ontem , 9 de Setembro  de 2014.
Como se devem estar a sentir os proprietários destas obras?
As obras estão localizadas no mangal situado entre a Zona da Prais Nova e o Palácio de Casamentos no bairro da Ponta-Gêa.
A cidade da Beira possui um dos maiores índices de crescimento da zona da África Subsaariana de cerca de 6.4% por ano. Este crescimento foi em grande parte resultado de fluxo de população rural que em tempos de guerra procurou abrigo na cidade, ocupando informalmente os arredores da cidade. Como resultado, 50% das casas está em zonas de ocupação desordenada sem acesso a infra-estruturas básicas tais como a água potável e, saneamento, gestão de resíduos e oportunidades económicas sustentáveis.  Beira encontra-se na zona baixa. A maioria parte da cidade localiza-se abaixo de 10 metros acima do nível do mar. A natureza plana do terreno implica que a maioria parte da cidade fica inundada durante os períodos chuvosos. Este problema de inundações é mais acentuado nas zonas de ocupação desordenada que geralmente coincide com as zonas mais baixas da cidade.     
Na zona central da cidade da Beira existe uma rede de drenagem destinada ao escoamento de águas pluviais para o mar. O resto da cidade é servido por um sistema extensivo de canais de drenagem. Todo o sistema de drenagem (tubagem e canais abertos) foi construído na década 50-60. A natureza plana da cidade da Beira faz com que o lençol freático esteja próximo de superfície. Esta situação é mais crítica nas zonas propensas às cheias. Estudos realizados indicam que o lençol freático está a menos de um metro da superfície nas zonas mais baixas. Em algumas áreas, as populações tem as suas casas construídas em zonas pantanosas, ficando inundadas mesmo na época seca do ano. A disposição superficial do lençol freático também causa problemas para o sistema de saneamento da cidade.   Assiste-se infiltração das águas subterrâneas no sistema de tubagem de esgotos e estacões de bombagem, incrementando o volume de águas residuais a ser bombeado e tratado. 
Por outro lado, as fugas no sistema de esgoto têm contaminado as águas subterrâneas.  Os sistemas de saneamento Off-site, tais como fossas sépticas, bem como o uso de latrinas enfrentam ainda maiores problemas com alto nível do lençol freático, devido ao alto nível de contaminação das águas subterrâneas que estes sistemas geram já que o tratamento que normalmente deveria ocorrer nos tanques sépticos e nas latrinas já não ocorre normalmente com a saturação dos solos. Adicionalmente, as fossas sépticas tendem a transbordar devido á redução de capacidade de infiltração. Este fenómeno tem resultado em contaminação dos solos e águas superficiais e subterrâneas nas imediações dos sistemas sépticos e latrinas. O uso para fins domésticos de água subterrânea captada a partir dos poços e de fontenárias dentro da cidade da Beira não é recomendável devido ao alto risco de contaminação. 

Saiba mais lendo aqui  um estudo feito pelos Serviços de Consultoria para Assistência Técnica para Estabelecer e Fortificar a Administração de Infrastruturas de Água e Saneamento e Entidades Provinciais de Abastecimento de Água e Saneamento em Pequenas e Médias Cidades de Moçambique.

0 comentários: