quinta-feira, junho 30, 2016

A propósito dos "lesa pátria"

1980, Samora Machel, primeiro presidente de Moçambique entrevistado sobre os índices de corrupcção na jovem República:

O Senhor Presidente diz que ainda há corrupção em Moçambique. Mas a opinião geral em todo o mundo é que o seu país é dos menos corruptos em África. O que tem a dizer sobre isto?
Samora Machel: Penso que a podemos afirmar com satisfação no termo de cinco anos de independência, que avançámos muito mais no combate à corrupção de que muitos países africanos independentes há mais tempo. Simplesmente, julgamos que ainda não avançámos o suficiente, que estamos ainda muito longe dos nossos objectivos.

Resultado de imagem para samora machelMas os governos do ocidente anotam como um caso único em África?
SM:No Ocidente, em especial, formou-se uma certa imagem dos países africanos. Dessa imagem fazem parte a corrupção, a desorganização, a incompetência, o desleixo. São coisas já consideradas "normais" em África. Assim, quando aparece um país como o nosso, onde há um combate consequente contra esses males, os observadores estrangeiros têm tendência a dizer que, "comparado com outros países africanos", o nosso não é assim tão mau. Pensamos que esta perspectiva é incorrecta e revela paternalismo, mesmo quando é assumida por observadores simpatizantes do nosso processo.

É realista exigir mais?
SM:O nosso termo de comparação são os países mais avançados, onde foi construída uma sociedade mais justa e onde esses males foram eliminados ou quase eliminados, a ponto de já não constituirem um problema sério. É com esses países que queremos comparar-nos. O nosso objectivo não é sermos um país africano menos corrupto do que os outros - o nosso objectivo é eliminar radicalmente a corrupção do nosso país.Queremos demonstrar, neste processo, que a corrupção, a ineficiência, não são características africanas - são sim características da ideologia do subdesenvolvimento.
Resultado de imagem para samora machelResultado de imagem para samora machel

0 comentários: