terça-feira, junho 06, 2017

Um surto! Endemia ou pandemia, esta é a questão

No final da IV sessão extraordinária do Comité Central da Frelimo, que durante dois dias reflectiu sobre a vida do partido, Eduardo Mulémbwe destacou que foi vincada a necessidade de os “camaradas” agirem com base nos valores e princípios que norteiam a organização, facto que fez com que saíssem do encontro fortalecidos. Um outro membro do CC disse que Filipe Nyusi saiu-se bem e fortalecido e está cada vez mais a impor-se no partido, mas alertou que derradeiros combates ainda estãopor vir nas conferencias provinciais, que irao eleger os Primeiros Secretários e delegados, os cerca de três mil delegados ao Congresso.
Resultado de imagem para eduardo mulembwe“É nas próximas reuniões e no congresso que Filipe Nyusi vai montar a sua máquina partidária, com pessoas da sua confiança, aliás, nesta reuniao parte considerável dos membros aconselharam o Presidente a faze-lo. Este Comité Central e a Comissão Política não foram montados por ele”, afiançou a mesma fonte.Sobre o dossier paz, que foi uma das principais agendas da reuniao,os membros do Comité Central apoiaram o presidente no novo modelo do diálogo com Afonso Dhlakama. Tal como aconteceu na V Sessão ordinária do Comité Central do partido, Nyusi voltou a defender que Afonso Dhlakama deve ser visto como um “adversário político” e nao como um inimigo a abater.Ao que se apurou, vários camaradas exprimiram os seus pontos de vista, durante os debates, de forma aberta. Armando Guebuza manteve uma postura discreta e a sua intervenção foi feita num tom moderado no tema sobre a descentralização e a questão das seis províncias que a Renamo reclama o direito de governar.
Em comentários, Mulémbwe fez notar que é preciso encarar os diferentes momentos da vida do partido com frontalidade necessária e, com toda a clareza, assumir que o ser humano está sujeito a erros. Mulémbwe “dá a mão a palmatoria” e enfatiza que há membros no seio do partido que tem “comportamento  desviante”, que olham mais para benefícios próprios e nao para o fortalecimento do partido como um todo. Para o ex-presidente da Assembleia da República e actual deputado, a mudança de conduta por parte de alguns militantes do partido começou a notar-se a partir do X Congresso da Frelimo. “Estes problemas tem a dimensão de um surto, se for para usar uma expressão médica. Agora precisamos perceber se se trata de uma endemia ou pandemia, esta é a questão. Mas, dizer que há aqui e acolá, há cometimentos destas práticas, sim há e estamos decididos a fazer a purificação das nossas fileiras, seja quem for que incorrer nestas práticas desviantes”, disse. De seguida, referiu que foi tomada a decisão de desencadear um processo para desencorajar alguns actos que designou de condutas desviantes, o que passa por fazer com que os órgãos competentes, como é o caso da Comissão de Verificação, possam, de forma intransigente, analisar as situações em conformidade com os estatutos.  
Resultado de imagem para rebelo oscar mionteiro
Resultado de imagem para rebelo oscar mionteiroRecorde-se que no congresso dirigido por Armando Guebuza, em Muxara, enquanto presidente da Frelimo, figuras históricas, como Jorge Rebelo, Óscar Monteiro, Sérgio Vieira e António Hama Thai não conseguiram a eleição para aquele órgão importante do partido no intervalo entre congressos. Paralelamente, assistiu-se a ascensão de uma nova geração considerada mansa e menos incomoda a liderança.
Se na sessão ordinária do CC da Frelimo do ano passado, a ACLLIN denunciou a compra de votos no seio do partido como um acto que mina o desenvolvimento da democracia interna e debates produtivos, este ano, Fernando Faustino voltou a ser incisivo no seu discurso, criticando a perda de valores por parte de alguns “camaradas”, que olham a política como meio de recompensa económica e não para vincar os ideais do partido. O SG da ACLLIN disse, no seu discurso corrosivo, que o partido clama por uma reorganização de fundo. “O processo de purificação das fileiras do nosso partido deve ser um facto real, verdadeiro, oportuno e sem contemplações de modo a devolver a dignidade e valor da Frelimo”, disse.Recentemente reconduzido ao cargo do SG da ACLLIN, Faustino considerou que a Frelimo converteu-se numa máquina eleitoral, visto que fazer política significa procurar posições ao nível do Governo, parlamento, assembleias provinciais, municipais e favorecimento nos negócios com o Estado. De acordo com Faustino, o maquiavelismo no acesso aos órgãos do partido resultaram na exclusão de quadros experientes, estrategas e disponíveis para servir. Outra indignação tem que ver com as derrotas eleitorais que o partido tem averbado nas províncias do Centro e Norte do país, situação que o levou a questionar o “paradeiro” dos quatro milhões de membros com os quais a Frelimo se orgulha de contar, bem como os métodos de actuação na comunicação com o eleitorado. Conhecido por ser controverso e conservador, Faustino minimizou os ganhos da democracia que abrem espaço para a entrada de novos actores no panorama político ao considerar que as novas formações políticas e Organizações da Sociedade Civil constituem uma barreira para a Frelimo. Porém, ao que apurámos, as declarações incendiárias de Faustino fazem parte de um plano para chegar a Secretário Geral do partido em substituição de Eliseu Machava. “O camarada Faustino está a tentar abrir caminho para chegar a SG, fazendo discursos que suscitam paixões e saudosismos. É uma tentativa de comprar coraçoes e mentes”, minimizou um camarada em declarações ao jornal.
Resultado de imagem para nyuse
 O presidente da Frelimo, Filipe Nyusi, iniciou o seu discurso de encerramento explicando que aquela sessão extraordinária fora sugerida pelos próprios “camaradas”, para, com mais tempo, reflectirem em torno da situação interna do partido, sem, com isso, descurarem o estágio da economia nacional. Poderá ser por isso que a sessão do CC não teve convidados, uma ausência extensiva aos membros do governo que não fazem parte do CC, com excepção do primeiro-ministro Carlos Agostinho do Rosário, que marcou presença no encontro. O líder do partido do “batuque e maçaroca” saudou a coragem dos membros que apontaram os problemas que podem minar a actuação da organização. Arrolados os problemas que não chegaram a ser tornados públicos, dada a advertência presidencial para a observância da disciplina partidária, com o fundamento de que “ ninguém sabe mais que todos nós”, Nyusi afirmou que o partido sai fortalecido, enriquecido e mais apto para cumprir as suas tarefas em prol do desenvolvimento do país. 
Resultado de imagem para tapete vermelho
“Se não podermos ser a mudança que reclamamos e pretendemos ser ao longo dos debates nesta reunião, então teremos reunido em vão”, disse. Nyusi garantiu que, em nome do povo, continuará a fazer de tudo para que os resultados obtidos até ao momento em sede de diálogo rumo a uma paz efectiva no país prevaleçam. Apelou para que todos sejam mensageiros da paz e reconciliação e transmitam a ideia de que as diferenças não podem dividir o estado unitário. Os apoiantes indefectíveis de Nyusi saíram satisfeitos da reunião, mas não estão tranquilos quanto ao desfecho do Congresso em Setembro. “O nosso presidente esteve bem, teve apoio, mas não saiu da sessão extraordinária com o tapete vermelho aberto em direcção ao Congresso”, rematou uma militante.

0 comentários: