quarta-feira, agosto 26, 2015

Dhlakama começa a fartar

População da cidade de Quelimane, província da Zambézia, centro do país, mas principalmente os que acompanharam atentamente a visita do líder do maior partido da oposição em Moçambique naquela parcela do país, consideram Afonso Dhlakama como sendo um actor de teatro que não usa a política para resolver os problemas dos moçambicanos, mas sim para entreter o povo, avançou o site Diário da Zambézia. Alguns munícipes que assistiram o último comício proferido por Afonso Dhlakama na cidade de Quelimane, em entrevista ao Diário da Zambézia, foram unânimes em dizer que não ouviram nada novo. Os mesmos, dizem que a insatisfação, começa quando Dhlakama escala a cidade de Quelimane na passada tarde de terça-feira (18), e dizia de viva voz que na reunião que teria com os desmobilizados de guerra do seu partido, cabia a eles decidirem o futuro deste país. Arnaldo Jorge um dos presentes, disse que as expectativas em torno das decisões que seriam tomadas na reunião eram enormes. 
Afonso Dhlakama em TsanganoArnaldo contou a mesma fonte que, as palavras de Dhlakama após a sua chegada foram motivos de conversa não só no mercado onde exerce a sua actividade bem como no bairro onde ele vive, “estávamos a espera, e depois ansiosos pensando o que vão decidir, aguardávamos as decisões que seriam tomadas naquela reunião nacional da perdiz”, disse. Segundo disse, para o seu descontentamento Dhlakama na abertura da referida reunião isola-se e adverte os seus homens ” aquilo que vocês decidirem eu não vou negar, mas quero adiantar se decidirem fazer a guerra eu vou dizer não, podem escolher um outro comandante em chefe, porque eu tenho dito já estou a governar”. Marchande Jorge, outro cidadão que também diz não perceber qual foi a real agenda que levou o líder da Renamo a escalar Quelimane, entende que Dhlakama está esgotado em termos políticos. Para ele, parece que o líder da Perdiz já percebeu que o povo está cansado das suas promessas daí que, uma das formas que encontrou de manter é entreter as pessoas, voltar a produzir mais mentiras que algum momento fazem com que ele minta e desminta ao mesmo tempo. Marchande, questiona como Dhlakama diz que vai governar sem o uso da força e meia volta fala do plano de abertura de um quartel-general no distrito de Morrumbala, bem como a formação de uma polícia composta pelos seus homens, que segundo ele tem como objectivo proteger a população dos males que a Frelimo causa ao povo. Na opinião de todos entrevistados pelo Diário da Zambézia, Dhlakama não devia ter vindo a Zambézia porque os zambezianos não ouviram nada, se não vamos governar.

0 comentários: