quinta-feira, junho 25, 2015

Comercio intercultural

Resultado de imagem para ilhas quirimbaA Universidade Eduardo Mondlane, a mais antiga instituição de ensino superior em Moçambique, em coordenação com o Governo espanhol vai realizar uma investigação sobre o comércio intercultural suaíli na ilha das Quirimbas, durante o primeiro milénio ao longo da costa da província de Cabo Delg interado, norte de Moçambique. Segundo a agência “LUSA”, citando Marisa Ruiz-Galvez, investigadora espanhola, o objectivo principal é investigar como foi o processo comercial suaíli na região, analisando as influências culturais que os povos autóctones sofreram.  “Seria muito interessante percebermos como funcionavam as sociedades indígenas, tanto na costa como no interior”, disse Jorge Torres, catalogador, acrescentando que “e, tendo em conta que estas especificidades nunca foram estudadas em Moçambique, achamos que é um campo muito fértil para ser explorado”. As pesquisas preliminares feitas por arqueólogos locais indicam que existem elementos importantes nas zonas costeiras do norte de Moçambique e que podem ser exploradas. “Antes de mais, se realmente existem tais artefactos, precisamos saber de que período são, porque nós estamos interessados principalmente no primeiro milénio e no processo de formação dessas sociedades”, afirmou Jorge Torre. De acordo com os pesquisadores, a escolha de Moçambique para a pesquisa está relacionada com o facto de o país ser pouco explorado ao nível de estudos arqueológicos, principalmente no que diz respeito ao comércio suaíli na zona norte. O comércio intercultural suaíli vigorou por volta do século VI, na zona costeira do território moçambicano, principalmente no norte do país.

0 comentários: