sexta-feira, julho 07, 2017

ÚLTIMA HORA

Resultado de imagem para ferroviario da beiraA Federação Internacional de Futebol (FIFA) suspendeu nesta quinta-feira(06) a Federação de Futebol do Sudão devido a interferência do Governo nas actividades da instituição. Uma das consequências desta decisão é que o jogo agendado para esta sexta-feira(07) entre o Al Hilal Omdurman e o Ferroviário da Beira não acontecerá, devido a suspensão da equipa sudanesa, e o campeão moçambicano  fica automaticamente apurado para os quartos-de-final da Liga dos Clubes Campeões Africanos.

Resultado de imagem para CAFQual o principal obstáculo para o futebol africano se estabelecer como uma das forças do futebol mundial? Podemos pensar na estrutura precária, na ausência de recursos, no frágil trabalho de base, enfim, uma série de aspectos. Mas existe um factor que está directamente ligado a todos esses: a incapacidade de quem está no comando. Parece lógico: quem está no poder e possui o mínimo de boa vontade pode ajudar a melhorar esse cenário.    No entanto, seja por incompetência ou pela ganância (ou pela combinação dos dois), são justamente esses mandatários que estão fazendo o futebol africano definhar. A mentalidade de grande parte dos dirigentes é amadora e estes só estão preocupados em satisfazer seus próprios interesses. Nas últimas semanas, são eles que têm sido manchete no noticiário esportivo da África. E pelos mais vergonhosos motivos.
O caso mais emblemático é o de Camarões. A situação do futebol do país pode ser resumida pelo fato de um dirigente com mais de uma década no poder e preso (isso mesmo, preso) por desvio de dinheiro de uma empresa pública ter sido reeleito como presidente da federação do país (Fecafoot). O nome dele é Iya Mohammed, que por sinal, segue atrás das grades. As eleições, no entanto, foram canceladas pouco depois justamente pelas acusações contra Mohammed. E como nada é tão ruim que não possa piorar, Camarões recentemente foi suspenso pela Fifa por interferência do governo na federação. Explica-se: após a prisão de Mohammed, o candidato derrotado nas eleições, John Begheni Ndeh, se autoproclamou chefe da federação e começou a trabalhar com o auxílio da polícia. A Fifa entendeu o caso como interferência política.
E outra entidade africana já está na mira da Fifa: é a de Uganda. Tudo porque a Ministra de Educação e Desportos do país, Jessica Alupo Rose Epel, alega que a federação local (Fufa) atua como uma empresa privada desde 2009 e isso é inconsistente com as leis de Uganda. A Fifa, no entanto, alega que o status legal da federação já foi esclarecido em uma reunião no ano passado e só aceita discutir o assunto novamente se o estatuto jurídico da Fufa estiver totalmente esclarecido. Caso contrário (ou seja, uma medida tomada unilateralmente contra os estatutos da Fufa), a Fifa acena com uma punição.
Resultado de imagem para FIFA
E ainda tem mais. A Fifa chegou a suspender seu financiamento anual para a Federação Gabonesa de Futebol (Fegafoot) até que os funcionários da entidade justifiquem como recursos anteriores foram gastos. Uma auditoria da Fifa revelou um déficite de 100 mil dólares na gestão de recursos alocados para a federação. Ou seja, um dinheiro que supostamente deveria ser utilizado para melhorar a estrutura do futebol gabonês está sob forte suspeita de desvio por parte dos dirigentes.

Além da corrupção, as federações são pessimamente organizadas. Prova disso é que seis selecções já perderam pontos nas eliminatórias para o Mundial devido a  escalações irregulares (Etiópia, Guiné-Equatorial, Burkina Faso, Gabão, Sudão e Togo). Algumas delas pelos motivos mais pitorescos, como jogadores suspensos por acúmulo de cartões amarelos entrando em campo. Se não há um controle para situações simples como essa, não surpreende o desperdício dos recursos que deveriam proporcionar melhorias na estrutura do desporto. Infelizmente, enquanto estiverem reféns de dirigentes amadores, corruptos e desfasados, muitos países da África não conseguirão progredir no futebol. Ainda que, ao contrário do que muitos imaginam, apresentem um potencial gigantesco para isso.

0 comentários: