quarta-feira, janeiro 25, 2017

Crimes passionais,preocupam!

Onze dias depois do crime macabro envolvendo o casal Stefan Filipe e Darlen Cossa, no bairro de Inhagoia, mais um jovem assassinou a mulher alegadamente por motivos passionais na capital moçambicana. Desta vez, o homicida, ora a contas com as autoridades policiais, desde o último sábado (21), é um cidadão de apenas 24 anos de idade, o qual pôs fim à vida da namorada com recurso a um instrumento contundente, no bairro das FPLM.
A vítima tinha também 24 de idade. O suposto assassino é vigilante de uma empresa de segurança privada, segundo o Comando da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Maputo.
O homem alegou que o crime, ocorrido no dia em que foi detido, resultou do facto de ter chegado à casa e encontrar a sua companheira bastante bêbada, o que para a corporação não justifica tirar a vida de alguém. “Acreditamos que se trata de mais um crime passional”, disse Orlando Mudumane, porta-voz da PRM, falando à imprensa, na manhã desta segunda-feira (23), sobre a situação da ordem e segurança pública entre 16 e 22 de Janeiro corrente.
Este é o segundo terceiro crime pretensamente passional, que acontece em Maputo e Sofala, este ano, em menos de duas semanas.
O primeiro deu-se por volta das 19h00 , no bairro de Inhagoia, onde um jovem que em vida respondia pelo nome de Stefan Filipe, de 31 anos de idade, assassinou a sua esposa, Darlen Cossa, de 27 anos, com recurso a uma faca da cozinha. Em seguida, o homem imolou-se e o seu cadáver foi achado no tecto da própria casa.
O segundo aconteceu por volta das 23h00 de domingo (15), no município de Dondo, na província de Sofala. Uma adolescente de 17 anos de idade encontra-se detida, suspeita de matar o namorado, de 25 anos, quando este lutava com um suposto rival, por sinal professor.
Resultado de imagem para homicídios maputo jovens
Como acontece em muitos dos países do mundo, os dados de crime e violência são difíceis de se obter e não são fiáveis devido a uma série de factores, incluindo deficientes sistemas de registo, reduzidas taxas de reporte à polícia (devido à falta de confiança na polícia e no sistema de justiça criminal) e a inexistência de um sistema padronizado de recolha de dados. Convidamos a lêr AQUI o relatório  “Avaliação do Crime e Violência em Moçambique”. O presente relatório representa uma avaliação da situação do crime e violência em Moçambique e foi realizado entre os meses de Agosto 2011 e Março de 2012. O estudo foi realizado com o objectivo de proporcionar uma visão abrangente sobre a situação do crime e da violência em Moçambique.

0 comentários: