quarta-feira, janeiro 25, 2017

Corram com os “meus turras” que saberei agradecer

Resultado de imagem para Recep ErdoganPresidente turco diz haver células ligadas ao golpe de Estado de 2016 em Moçambique.O Presidente da Turquia pediu ao seu homólogo moçambicano Filipe Nyusi que o ajude a caçar os seus adversários políticos que ele considera terem estado por trás da tentativa de golpe de Estado em Julho do ano passado. Recyp Erdogan alertou nesta terça-feira, 24, para o perigo dos referidos grupos e disse esperar que Moçambique dê a sua cooperação, como um país amigo.O pedido foi feito num encontro a sós com Filipe Nyusi e no qual Erdogan deixou aquele que foi um dos principais objectivos da sua visita a Moçambique.Durante cerca de 20 minutos, Erdogan disse a Filipe Nyusi que quer o apoio de Moçambique para neutralizar células terroristas turcas que se encontram infiltradas no país."As alegadas células estão envolvidas em actividades ligadas ao sector do ensino e outras actividades sociais que parecem inofensivas ou mesmo ligadas ao desenvolvimento, mas tem por trás, planos terroristas que podem afectar Moçambique", sustentou o Presidente turco.De acordo com informações de fontes que não se quiseram identificar, um dos alvos de Erdogan é a Willow International School, um dos maiores centros de ensino em Maputo, reconhecido pela sua qualidade e que serve, basicamente, filhos das elites políticas e económicas do país.As autoridades de Ancara consideram a escola um dos investimentos do movimento Gulen e que deve ser encerrada.A direcção da Willow recusou fazer qualquer comentário.
Mapa de willow international school costa do sol

Os governos de Moçambique da Turquia abriram uma nova página no capítulo das relações bilaterais, ao assinarem hoje, em Maputo, quatro acordos de cooperação destinados a conferir ímpeto e ganhos mútuos nos domínios contemplados.Trata-se do acordo sobre supressão de vistos em passaportes diplomáticos e de serviço, rubricado pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Oldemiro Baloi, e seu homólogo turco, Mevlut Cavusoglu. Os dois ministros assinaram igualmente o acordo de consultas políticas.O acordo sobre a cooperação comercial e económica foi assinado pelo Ministro da Indústria e Comércio, Max Tonela, e sua contraparte turca, Nihat Zeybekci, que é o titular da pasta da economia. Os dois dirigentes rubricaram ainda o acordo sobre a promoção e protecção de investimentos.Os dois governos assinaram dois memorandos de entendimento, dos quais o primeiro no domínio da cultura e o segundo sobre o turismo, rubricado pelo titular da pasta, Silva Dunduro, e seu homólogo daquele país.Os acordos constituem o saldo da visita que o Presidente da Turquia, Recep Erdoğan, está a efectuar ao país, a primeira de um estadista turco desde que os dois países estabeleceram laços de amizade e cooperação há 40 anos.Erdogan, acompanhado por uma delegação de 150 empresários, foi recebido com 19 salvas de canhão, e manteve demoradas conversações com o Presidente Filipe Nyusi, durante as quais avaliaram o nível de cooperação e relançamento do capítulo promovido pelo seu governo, que coloca acento tónico na “diplomacia económica”. 
Resultado de imagem para Recep Erdogan moçambiqueSegundo o estadista moçambicano, para além de ser um país amigo e irmão, a Turquia constitui porta de entrada ao Médio Oriente e os indicadores da cooperação que estão para além de encorajadores permitem afirmar que vale a pena consolidar essa relação. No entanto, sobre outros temas que avultaram nas conversações, Nyusi disse que haverá aspectos concretos que os dois países vão privilegiar nos comités conjuntos que trabalharão no detalhe do que deve ser implementado. A visita do presidente turco a Moçambique está inserida no périplo que está a efectuar por três países da região, iniciada na Tanzânia, seguida de Moçambique, e que deverá terminar no estado insular do Madagáscar.

0 comentários: