quinta-feira, fevereiro 25, 2016

Renamo cava a própria sepultura

 “Em certas páginas das redes sociais digitais há especialistas dos grandes planos dramáticos: um tiro corresponde para eles a 50 tiros, um ataque a 100 ataques, um ferido a 200 feridos e um morto a 300 mortos. Estão especialmente ávidos pelas mortes governamentais.” Carlos Serra, sociólogo moçambicano.

A estrada nacional número um (EN1) no troço Save – Muxúnguè e vice-versa voltou a ser o “corredor da morte” devido aos ataques perpetrados pelo braço armado do partido Renamo. Em consequência destes acontecimentos, o governo na qualidade de tutor dos superiores interesses nacionais, voltou a introduziu colunas militares para escoltas de viaturas civis e protecção de pessoas e bens. Com esta medida, espera-se que o governo e as forças de defesa e segurança (FDS) consigam não só travar o derramamento de sangue, mas também – e fundamentalmente – na repressão infringida aos autores desses actos macabros. Não são as populações de Save e Muxúnguè as únicas vítimas deste conflito. É o país inteiro que sofre com isso, porque a dor de uma ferida não só tem efeitos no local, como abrange o corpo todo. É o país inteiro que está a ser dilacerado por este conflito absurdo e injustificável. Tenho cá comigo que não se justifica a guerra. Justificá-la é igual a uma barbaridade.O medo entrou pelas nas nossas veias e instalou-se no nosso corpo. Onde quer que a gente vá, o medo acompanha-nos. Mesmo quando dormimos, já não sonhamos com a paz, porque o medo é quem pilota os nossos sonhos e escolhe a pior pista para aterrar o nosso destino: a desgraça!
A Renamo diz que os meios justificam os fins, e que os ataques visam forçar o governo a aceder às suas reclamações. Pergunto a si, caro leitor, se querelas políticas é motivo para um partido com representação parlamentar ferir e matar populações civis indefesas?
Independentemente das amarguras que tenham causado este conflito, a Renamo está a pautar pelos caminhos da perdição e isto é claramente um ataque à razão. Penso que todos nós na vida – e os partidos políticos não fogem à regra – estamos sempre sujeitos a engolir sapos. O mais importante, parafraseando o meu amigo Joaquim Marcos Manjate, é nunca vergar, pois quanto mais nos vergamos, mais fácil fica de nos subirem às costas.A Renamo deixou de ser um partido que aglutina os interesses do povo e passou a ser um clube de mercantilistas que luta para “saciar os sacos vazios”. Não será pela nomeação de governadores provinciais que a Renamo luta. O que a Renamo quer, disso quase que já ninguém duvida, é o acesso aos recursos minerais e energéticos em descoberta e exploração no país. Pouco lha interessa o poder.
A segunda pergunta que faço ao leitor é está: Se os partidos políticos precisam de eleições para aspirar a ser governo, por que motivo a Renamo abanda os pleitos eleitorais?
Para o nosso paradigma de gestão governativa, centralizado na figura de um soberano com forte dependência na máquina partidária, a nomeação de seis governadores provenientes da Renamo não constituiria uma garantia de acesso aos recursos minerais e energéticos, embora reconheça que os seis nomeados – e apenas esses – teriam acesso a um poder administrativo limitado. Ademais, os governadores provinciais são controlados por um “remoto controlo”, pouca acção têm para agir à margem das decisões centrais. Por outro lado, a Frelimo não aceitaria a alteração do jogo “ao meio do campeonato”, porquanto a regra de partilha não fez parte do escrutínio eleitoral em Outubro de 2014. Em política a vitimização é, infelizmente, a principal regra de sobrevivência dos partidos. E a Renamo para legitimar o actual conflito político-militar percebeu que era necessário, em primeiro lugar, fazer-se passar por vítima de maus tratos da Frelimo, e, em segundo, arranjar um bode expiatório que é a reivindicação para a nomeação dos governadores nas províncias onde ela, a Renamo, ganhou o pleito eleitoral. Porque a pieguice não tem fórmula fixa (depende da habilidade e da astúcia de cada pessoa), brevemente nascerão outros chiados para justificar o injustificável: a matança contra as populações indefesas.
Faço uma terceira pergunta ao leitor: como é que se explica que um partido que tenha lutado pela democracia seja ele mesmo o seu coveiro?
Os geólogos advertem que os recursos naturais do país são esgotáveis. Certamente não irão acabar amanhã. Lula da Silva é o melhor exemplo de que na política, assim como na vida, a paciência, a persistência e o saber fazer ganham vitórias. A precipitação nunca levou ninguém ao pódio. Espero que o líder máximo da Renamo, Afonso Dhlakama, compreenda o ensinamento de Lula da Silva e do meu amigo Nkulu, poeta anónimo que tanto admiro, nas seguintes reflexões:
1. A gula excessiva pode matar o próximo apetite e decretar falência onde havia promessa.
2. As temperaturas da forja nunca são frias, quando o objectivo for o de moldar o ferro.
3. Ganhos imediatos, sem semear, são traiçoeiros.
4. Vitórias fáceis não forjam quadros.

Tem sido muito difícil a Renamo compreender os fenómenos históricos. Poucos, como o saudoso académico David Aloni, o estratega político Raul Domingos e o também académico Jafar Gulamo Jafar, o compreendiam. Impedir a circulação de pessoas e bens, num país sem fronteiras entre moçambicanos, colocará, indubitavelmente, a Renamo e o seu líder como réus no tribunal da consciência dos eleitores do amanhã. As alas militar e política da Renamo não se podem esquecer que a despartidarização do partido é uma possibilidade que o governo NUNCA descartou. A Renamo deve expor os seus argumentos no parlamento. Deve, igualmente, evoluir na paz. De contrário, apesar de suas acções belicistas estar a ser aplaudidas por uma certa imprensa inconsequente, cavará, com uma enorme profundidade, a própria sepultura. Bem dizia o meu saudoso amigo e historiador português José Hermano Saraiva “É preciso evoluir sem violência. É preciso não fazer vítimas. As revoluções só triunfam quando têm as suas raízes na paz.” O que custa, cara Renamo, pautar por estes conselhos? Zicomo (Obrigado).( Por Viriato Dias)

0 comentários: